Por que eu não gravei o direito de resposta


Foto: CEERT

Prezados Irmãos e Filhos de Fé,

Em janeiro de 2019, nós das religiões de matrizes africanas ganhamos, mais uma vez, a Ação Civil Pública com o direito de resposta, pelos absurdos que a Rede Record e a Rede News vincularam contra nossa fé. Como todos sabem, as agressões aconteceram principalmente nos programas “Sessões de Descarrego” e “Mistérios” onde os símbolos sagrados e ritos da Umbanda e Candomblé foram demonizados.

A Rede Record fez acordo para exibição de programas que esclareçam sobre as religiões de matrizes africanas depois de perder novamente a Ação.  As gravações com o direito de resposta foram agendadas e minha presença estava confirmada.

Contudo, como ando acima dos 80 – e não é em velocidade e sim em idade, como costumo falar – minha saúde me pregou uma peça, nas vésperas da gravação. Uma febre persistente nos assustou. Pensamos ser Dengue ou Meningite, mas graças a nosso Pai Oxalá era apenas uma infecção bacteriana que já está sendo tratada e não passo por risco algum. O período, no entanto, é de cuidar da saúde e isso me impossibilitou de estar presente nas gravações do dia 01.04.2019.

Agradeço imensamente as deferências à minha pessoa e carinho de todos os filhos de fé e amigos que têm enviado mensagens de carinho e boas vibrações. Em breve, estaremos juntos novamente.

Quero deixar o meu Saravá, Mojubá, Motumbá, Mukuiu e Kolofé à toda a comunidade religiosa de matriz africana e dizer que tenho certeza que fizeram um excelente trabalho.

Em breve, compartilharei com todos mais novidades sobre a exibição dos programas.

Meu Saravá fraterno!

Babalaô Ronaldo Linares

Leia a matéria sobre o início das gravações no site da CEERT. Clique Aqui.

 

Siga-nos nas redes sociais