UM OLHAR POSITIVO PODE CURAR A ALMA


Conversando informalmente esses dias, eu afirmei que pensar positivamente é indispensável para manter corpo e mente íntegros.

– Mas puxa vida, como assim? Foi a  resposta que ouvi.  – Em meio a tanta tristeza, como você quer que eu tenha pensamentos positivos, mal consigo encontrar numa luz no fim do túnel…

Nossa conversa continuou.  Expus minha forma de compreender o que está acontecendo e como tento transformar toda essa provação pela qual estamos passando em algo que não me destrua para que possa continuar trabalhando e deixando a vida dos que me cercam um pouco menos entristecidas.

Ao me afastar, refleti sobre o assunto e pensei em quantas pessoas estão ficando desalentadas (eu mesma poderia apontar o nome de várias que conheço), temerosas, e consequentemente, enfraquecidas.

Após decretado mais um Plano Emergencial do Governo novamente nos encontramos tolhidos de nossas já parcas atividades diárias (pequenas conquistas como ir às ruas algumas vezes, a retomada das atividades físicas, além do resgate de um pequeno convívio com pessoas mais próximas), voltaram à estaca zero e cá estamos nós, cada um em seu quadrado, ainda que trabalhando e lutando para manter empregos ou até mesmo o sustento da família.

Cada pessoa tem uma forma de reagir às pressões que recebe e a  palavra da moda agora é resiliência.  Resiliência pra cá, resiliência pra lá…  Temos que ser resilientes;  Você tem que ser resiliente!  Mas, o que exatamente isso significa?  Que tenho que aguentar tudo e seguir em frente?  Que tenho que ser forte, e mais forte sempre?

Resiliência é um termo importando da física e significa (basicamente) o quanto um corpo consegue sofrer pressão, alterar seu formato e voltar à sua original.  Perceba que é até onde suporta” e não apenas sua capacidade de suportar.  Isso quer dizer que em algum momento esse corpo quebrará se a pressão não parar.

Então vamos transportar isso para pessoas:

Até onde uma pessoa consegue receber pressão (estresse),  ficar abalada (deformar) e voltar ao seu formato original (não adoecer)?

Cientistas da Universidade de Oxford atestaram que 1 em cada 5 pacientes apresentaram depressão/ansiedade pós Covid-19.  Esse resultado é praticamente o dobro de grupos de pacientes recuperados de outras doenças no mesmo período, ou seja, altíssima quantidade de pressão.

Sabemos que pessoas reagem de formas diferentes quando estão diante de um problema.  Algumas são mais vulneráveis e outras mais “seguras de si”  mantendo-se por mais tempo no controle da situação e conseguindo resolver mais rapidamente um problema impedindo que ele se torne ainda maior.  Enquanto os mais vulneráveis, inseguros na tomada de decisão, sofrem mais por um problema que, por conta do tempo, acaba tornando-se mais difícil e resolver, o que leva a pessoa a adoecer por estresse e pela ansiedade.  As pessoas “mais seguras” são as mais resilientes, as que conseguem suportar a pressão sem perder o foco e têm a mente aberta para alternativas de resolução.  Só que até mesmo os resilientes necessitam de estratégias para diminuir o nível de estresse porque todo corpo tem seu limite para suportar pressão sem quebrar ou adoecer.

Ser resiliente é diferente de ser herói, portanto é necessário que essa “carga” seja distribuída.   O sono é importante, o relaxamento e uma distração são igualmente necessários para que, ao menos por algum tempo o foco seja desviado e o corpo possa se restabelecer.  Além desses recursos, acredito que o remédio mais importante e eficaz nesse momento  ainda seja o acolhimento, é saber que há pessoas com quem possam dividir seus medos e ansiedades.  Falar de seus sentimentos e emoções, sorrir e se divertir.  Sejam próximas ou distantes (um abraço apertado, uma voz no telefone ou uma imagem no vídeo) não importa como seja, basta saber que alguém estará ali disponível, seja do grupo de amigos do clube,  da religião, do trabalho ou da família.  Desta forma a pressão será aliviada e bastará seguir em frente: corpo e alma equilibrados, melhor para si, melhor para o outro.

A empatia é uma característica humana encontrada em 99% das pessoas, aquelas que conseguem, além da empatia, serem resilientes farão sem dúvida, a diferença na vida de muitas pessoas que estão desalentadas e prestes a quebrar.   Seja positivo, seja a diferença na vida de alguém ao seu lado que precisa de ajuda.

Maria Aparecida Linares

Siga-nos nas redes sociais